24 de Julho de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Educação
10/06/2024

Os perigos ocultos da privatização da gestão escolar

Foto: Reprodução

A privatização pode ampliar desigualdades no acesso à educação de qualidade, podendo não trazer os resultados esperados

A privatização da gestão de escolas públicas tem sido debatida intensamente, e alguns governos estaduais têm considerado essa prática como uma solução mágica para os desafios enfrentados na educação pública. Mas será que essa abordagem realmente funciona? Estudos internacionais e experiências concretas sugerem que a privatização pode não ser a panaceia que alguns acreditam. Neste artigo, vamos mergulhar nos motivos pelos quais a privatização das escolas pode não trazer os resultados esperados, embasados em casos e estudos concretos.

 

Os governos apresentam falhas frequentes de regulamentação, acompanhamento e avaliação. O Estado enfrenta dificuldades para monitorar adequadamente suas próprias escolas, as escolas particulares, religiosas e vocacionais. Adicionar a necessidade de regulamentação, acompanhamento e avaliação de mais um modelo diferente de gestão deve agravar esses problemas. Estudos mostram que, em muitos casos, a falta de fiscalização adequada leva a uma diminuição da qualidade do ensino.

 

Um relatório do National Education Policy Center (NEPC) nos Estados Unidos concluiu que as escolas charter, que funcionam sob um modelo de gestão privada, frequentemente apresentam variações significativas na qualidade da educação devido à supervisão inconsistente.As empresas privadas têm como principal objetivo o lucro. Isso pode levar a cortes em áreas essenciais para maximizar ganhos, comprometendo a qualidade da educação oferecida aos alunos.

 

Veja também 

 

MEC suspende criação de cursos a distância até 2025

 

Perfil da pós-graduação muda no país em 25 anos

No Chile, por exemplo, a privatização da educação através de um sistema de vouchers resultou em desigualdades significativas e em uma qualidade inferior de ensino para alunos de baixa renda. Um estudo conduzido por Hsieh e Urquiola (2006) mostrou que a competição e o foco no lucro não necessariamente levaram a uma melhoria no desempenho dos alunos.Os pesquisadores Lara Simielli e Martin Carnoy analisaram as evidências sobre escolas charter e vouchers.

 

O estudo deles incluiu mais de 150 pesquisas publicadas em revistas internacionais e revisadas por pares. Nesta meta-análise, eles concluíram que as escolas charter têm um impacto nulo ou muito baixo no desempenho dos estudantes e que contribuem negativamente para a segregação e estratificação do sistema educacional.

 

Na Finlândia a Educação é totalmente pública e teve uma grande evolução em  poucos anos. No Brasil por que existe esse equívoco de que o que é público  não dá certo, abrindo

 

A privatização pode ampliar desigualdades no acesso à educação de qualidade. Escolas em áreas mais ricas tendem a atrair mais recursos e melhores gestores, enquanto escolas em áreas carentes podem continuar a enfrentar dificuldades. A experiência da Suécia, que introduziu um sistema de escolas privadas financiadas pelo estado nos anos 1990, mostrou que essa abordagem levou a uma segregação educacional maior, onde alunos de famílias mais ricas frequentavam escolas com melhores recursos, enquanto os de famílias menos favorecidas ficavam em escolas de menor qualidade.

 

Pisa: alunos mais ricos da rede particular do Brasil têm nota igual à de  países do top 5 - Estadão

Fotos: Reprodução

 

Modelos de gestão privada geralmente enfrentam problemas de continuidade e de sustentabilidade. Contratos podem ser encerrados ou não renovados, levando a interrupções na gestão escolar. Além disso, a sustentabilidade financeira a longo prazo é incerta, colocando em risco a estabilidade das escolas. No Reino Unido, a implementação das “academias”, escolas públicas administradas por empresas privadas, enfrentou problemas de sustentabilidade, com várias academias fechando ou sendo reabsorvidas pelo sistema público devido a falências ou má gestão.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

A privatização enfraquece a ideia e o trabalho de uma rede única de educação. Uma rede educacional integrada e coesa é fundamental para garantir a equidade e a qualidade do ensino. A fragmentação resultante da privatização pode criar disparidades e dificultar a implementação de políticas educacionais consistentes. A pesquisa do Education Policy Analysis Archives indica que a fragmentação das redes escolares através de modelos de privatização pode resultar em uma falta de coerência nas práticas pedagógicas e administrativas, prejudicando a uniformidade do ensino. 

 

Fonte: Extra

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.